Na Imprensa

Quem tem medo da lei penal?

 

A recém-aprovação do projeto de Lei nº 7596/2017 (Lei do Abuso de Autoridade), pelo Congresso Nacional, exige uma reação forte e urgente dos homens e mulheres de bem no Brasil.
 
A referida lei coloca no banco dos réus, juízes, promotores e  policiais que atuam no combate ao crime, no Brasil, inclusive arriscando cotidianamente suas próprias vidas, e sem a devida proteção do Estado.
 
Trata-se de verdadeiro desmonte do Estado Brasileiro, na sua atividade de combate ao crime, e não por acaso, se dá exatamente como reação ao êxito de operações como a Lava-Jato, que pela primeira vez na história, ao menos nessa ordem de grandeza, atingiu pessoas e setores historicamente imunes à lei penal: os ricos e os engravatados que saqueavam livremente o povo brasileiro e privatizaram o Estado a seu favor.
 
A pretexto de atualizar a lei de abuso de autoridade, que é de 1965, a maioria da classe política, às pressas e contando com a desinformação e dificuldade de reação da sociedade, aprovou o projeto de lei em questão. Se sancionado, porá de joelhos todos os profissionais que atuam no combate ao crime, especialmente, ao crime organizado e à delinquência econômica (o chamado crime do colarinho branco).
 
Trata-se de uma reação conservadora, de clara retaliação, verdadeiro golpe contra o povo brasileiro, motivado por intenções nada republicanas, pois, sabemos,  a lava jato e outras, atingiram, além do alto empresariado,  parte da classe política dirigente do país.
 
A mesma classe política engavetou o projeto de lei anti-crime, de autoria do Ministério da Justiça, capitaneado por Sérgio Moro, que há meses tramita na Câmara, sem sucesso. Tal iniciativa legislativa, há muito esperada, tem por objetivo aumentar a eficiência do Estado, na proteção da sociedade, ante ao avanço do crime, em todas as suas manifestações. Mas, desgraçadamente, não entrou na pauta da urgência do Congresso.
 
A título de exemplo, o tal projeto de Lei de Abuso de Autoridade, criminaliza, no seu artigo 17,  policiais ou juízes, ao prescrever que, comete crime quem “ submete o preso ao uso de algemas quando “manifestamente não houver ameaça de fuga”.
 
É óbvio que ninguém razoável consegue explicar o que seria a tal “manifesta ameaça de fuga”, ou se espera que o preso anuncie expressamente sua intenção de fuga, para então tentar evitá-la?
O raciocínio, de tão pueril, nem merece maiores considerações.
 
Também criminaliza a conduta de “ impedir a entrevista pessoal e reservada de RÉU SOLTO com seu advogado, antes da audiência, por prazo razoável”.
 
Somente não consegue explicar o que seria o tal “ prazo razoável”? E veja, a regra é para réus soltos, que, portanto, tiveram todo tempo do mundo, para contratar advogado, ou consultar o defensor público, para alinhavar junto a esses profissionais, seu meticuloso plano de defesa. Aí o absurdo salta aos olhos.
 
Igualmente criminaliza a requisição ou instauração de procedimento investigatório em desfavor de alguém, quando não houver qualquer indício da prática de crime (artigo 27).  
 
Desconhecem os deputados e senadores que, delegados de polícia e promotores de justiça do país, não saem por aí, dizendo:  “hoje vou instaurar um procedimento em desfavor de X por mero capricho”. Apenas em mentes ruins surge a ideia de que as ações penais possam ser fruto de mera perseguição e, se assim o for, a lei já prevê mecanismos de coibição desse que seria um grave desvio de conduta e crime.
 
A criatividade em favor do crime é tão grande que se criminalizou a conduta de “exigir informação ou cumprimento de obrigação de fazer ou de não fazer, sem expresso amparo legal” (artigo 33).
 
Em relação a esse “crime” é importante indagar: qual é o bem jurídico eventualmente violado com essa conduta? O que querem os nobres deputados proteger afinal?  
 
Também torna crime o ato de divulgar foto ou filme de preso, sem seu consentimento.
 
Assim, a imagem de um estuprador, por exemplo, deve receber mais proteção do Estado, do que a integridade física e a dignidade sexual de suas vítimas e da sociedade em geral.
 
Com esses exemplos, penso ter deixado claro que se o projeto de 7.596/17 for sancionado, corremos o sério risco de transformamos o Brasil em um paraíso para criminosos e corruptos, especialmente, num contexto em que cresce, não só a criminalidade violenta, com direito a decaptações de presos televisionadas, como também a delinquência econômica.
 

Por fim, se a sociedade brasileira que assiste a tudo ainda “bestificada” não se posicionar, viveremos tempos ainda mais sombrios, não sendo surpresa, que a sanha conservadora dessas reações de quem tem o poder de legislar por nós, acabem por também desmantelar a Lei de improbidade Administrativa,   a recente Lei Anticorrupção Empresarial,  a Lei de Acesso à Informação, ou mesmo, impeça/desfigure institutos importantes de combate ao crime, como a da colaboração premiada.
 
O que sobra de decência na nação espera /luta pela não aprovação desse verdadeiro desmanche da atividade investigativa/processante do Estado. De novo, e sem medo, a consciência nos chama ao combate.
 
Rogéria Cristina Leme
Promotora de Justiça

 

 

 


Mais na Imprensa

NOTA PÚBLICA

Tendo em vista alguns questionamentos acerca dos valores pagos no âmbito do Ministério Público do Estado de Minas Gerais, a Associação Mineira do Ministério Público, entidade de classe que congrega promotores e procuradores de Justiça do ...

AMMP participa de congresso na UFMG

 


Entre os dias 2 e 4 de setembro, o presidente da AMMP, Enéias Xavier Gomes, participou do III Congresso Ibero-Americano de Direito Penal e Filosofia da Linguagem, na Faculdade de Direito da UFMG.
Enéias Xavier Gomes presidiu a mesa dos ...