Na Imprensa

Reclamação verbal, quando comprovada, interrompe decadência relacionada a vício de produto

A reclamação ao fornecedor por vício de produto pode ser feita por todos os meios possíveis, sendo exigível apenas que o consumidor comprove a sua efetiva realização. Esse foi o entendimento da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao reformar acórdão que reconheceu a decadência do direito de reclamar porque a reclamação do consumidor não foi formulada de forma documental.

O caso envolveu uma ação redibitória para a rescisão do contrato de compra e venda de veículo usado. De acordo com o autor da ação, o automóvel apresentou uma série de defeitos que comprometiam sua utilização, tanto que, por diversas vezes, precisou ser levado à assistência técnica, sem que os defeitos fossem sanados.

A sentença, mantida na apelação, reconheceu a decadência do direito de reclamar. Segundo o acórdão, a suspensão do prazo decadencial previsto no artigo 26 do Código de Defesa do Consumidor (CDC) só poderia ser reconhecida se a reclamação do consumidor tivesse sido formulada de forma documental, inclusive por meios eletrônicos, não sendo admitida a simples oitiva de testemunhas.

Maior segurança
No STJ, o consumidor alegou cerceamento de defesa porque, embora não tenha notificado a empresa por escrito, a comunicação do vício foi, de fato, realizada de forma verbal, o que justificaria o requerimento de produção de prova testemunhal para comprovar a sua ocorrência.

A relatora, ministra Nancy Andrighi, disse que, para maior segurança do consumidor, o ideal é que a reclamação seja feita por escrito e entregue ao fornecedor, de maneira a facilitar sua comprovação, caso necessário. No entanto, ela destacou não haver exigência legal que determine a forma de sua apresentação.

“A reclamação obstativa da decadência, prevista no artigo 26, parágrafo 2º, I, do CDC, pode ser feita documentalmente – por meio físico ou eletrônico – ou mesmo verbalmente – pessoalmente ou por telefone – e, consequentemente, a sua comprovação pode dar-se por todos os meios admitidos em direito”, disse a ministra.

Como a ação foi extinta, com resolução de mérito, diante do reconhecimento da decadência do direito do autor, a relatora determinou o retorno do processo ao tribunal de origem para que, após a produção da prova testemunhal requerida pela parte, prossiga o julgamento. (STJ)
 


Mais na Imprensa

Congresso Estadual já tem mais de 400 inscritos

 Se você ainda não fez sua inscrição, não perca mais tempo. Embora falte cerca de um mês para o início das atividades, o XIII Congresso Estadual do Ministério Público de Minas Gerais já é sucesso de público, com mais de 400 inscritos, entre ...

Projeto Mar de Lama deverá ser votado hoje

O Projeto de Lei Mar de Lama Nunca Mais, com 55 mil assinaturas, deverá ser votado hoje, às 14h, no Plenarinho IV da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, através do Substitutivo 1, 2º Turno, do PL 3676/2016, que dispõe sobre o licenciamento ...
blog-1-column2

Criada Comissão Nacional de Mulheres da Conamp

Na tarde de ontem (04), foi instalada a Comissão Nacional de Mulheres da Conamp. A promotora de Justiça, Luciana Cristina Giannasi, foi indicada pela AMMP para compor a Comissão.

Durante a reunião também foi instalada a Comissão Nacional de ...